fbpx
Agende sua consulta agora

COMBATE E PREVENÇÃO À SÍFILIS COM JAMILE ABDALA

Compartilhe este conteúdo

Essa doença sexualmente transmissível (DST), é causada pela bactéria Treponema pallidum, e se não for tratada pode provocar graves problemas de saúde. Geralmente, a sífilis apresenta fases distintas com sintomas específicos e períodos latentes intercalados.

PRIMÁRIO

No primeiro estágio da sífilis, cerca de quatro a oito dias após o contágio, podem surgir uma ou várias feridas.  Firmes, redondas e indolores, elas podem facilmente passar despercebida, principalmente se as feridas estiverem situadas no reto ou no colo do útero. Geralmente duram de três a cinco semanas e cicatrizam independentemente de ser tratada ou não, pois a bactéria torna-se inativa no organismo. No entanto, isso não significa que deve deixar de buscar tratamento para sífilis, pois só ele pode impedir que passe para o próximo estágio.

SECUNDÁRIO

No estágio secundário, geralmente na sexta semana após a infecção, podem ocorrer erupções cutâneas e ou lesões nas membranas mucosas da boca, vagina ou ânus, cerca de duas a oito semanas após as primeiras feridas. Inicialmente surgem como manchas ásperas e vermelhas pelo corpo. Contudo, os sintomas nesse estágio incluem:

  • Descamação da pele;
  • Dor de cabeça, muscular e garganta;
  • Febre;
  • Inchaço dos gânglios linfáticos (axilas e pescoço);
  • Ínguas em todo o corpo, mas principalmente na região genital;
  • Mal estar e falta de apetite;
  • Manchas vermelhas na boca, no nariz, nas palmas das mãos e nas plantas dos pés;
  • Perda de peso.

Esses sintomas também irão desaparecer recebendo tratamento ou não. Porém, sem o tratamento, as erupções vão começar a surgir no torso, e o vírus ainda é transmissível ao se ter contato com a região da infecção.

LATENTE

Nesse estágio, os sintomas e sinais visíveis da sífilis cessam. Ele pode perdurar por muito tempo sem que o infectado sinta nada. A doença pode não mais se manifestar no organismo, mas pode ser que ela se desenvolva para o estágio mais grave, o terciário. Se não houver tratamento, a sífilis pode continuar em seu corpo por anos sem quaisquer sinais ou sintomas.

TERCIÁRIA

Quando não tratada adequadamente no estágio secundário, 2 a 30 anos após o início da infecção, os órgãos que foram afetados começam a dar sinais dos danos que a doença causou e os sintomas da passam a ser:

  • Crises epiléticas;
  • Delírios e alucinações;
  • Diminuição da memória recente e da capacidade de orientação;
  • Dor de cabeça constante;
  • Insônia;
  • Lesões mais graves na pele, boca e nariz;
  • Náuseas, vertigens e vômitos frequentes;
  • Perda auditiva;
  • Problemas em órgãos internos: coração, nervos, ossos, músculos, fígado e vasos sanguíneos;
  • Rigidez do pescoço, com dificuldade para movimentar a cabeça;
  • Riscos de AVC.

A sífilis terciária é muito grave! Essa doença danifica vários órgãos internos e pode levar a morte, e isso faz do tratamento em seu estágio inicial de extrema necessidade.

CONGÊNITA

É assim que é denominado quando a mãe infectada por sífilis, transmite a doença para o bebê, seja durante a gravidez, por meio da placenta, ou na hora do parto. A doença aumenta as chances de o bebê nascer com baixo peso, ter má formação, aumentar a probabilidade de um parto prematuro ou a mãe dar à luz a um o bebê sem vida (Natimorto). Geralmente, a maioria dos bebês que nascem infectados não apresentam nenhum sintoma da doença, porém eles podem surgir desde as primeiras semanas de vida até mais de 2 anos após o nascimento.

  • Anemia;
  • Irritabilidade;
  • Manchas arredondadas nas palmas das mãos e a sola dos pés de cor vermelha ou rosada;
  • Perda da audição;
  • Perda de apetite e da energia para brincar;
  • Pneumonia;
  • Problemas nos ossos e nos dentes;
  • Retardo mental.

Para nos esclarecer algumas dúvidas, recorremos a Infectologista JAMILE B ABDALA, CRM PR 30728/ RQE 22242. (Graduação em medicina pela UNOCHAPECÓ e Residência em infectologia pelo hospital Nereu Ramos). Por estarmos falando de uma DST (Doença Sexualmente Transmissível), sabemos que toda informação é de suma importância.   

QUE EXAMES DEVO FAZER PARA SABER SE TENHO OU NÃO SÍFILIS?

“Teste rápido para sífilis (disponível pelo SUS e em consultório). Ou testes laboratoriais específicos como VDRL e FTAABS.”

COMO OCORRE O CONTÁGIO E COMO A SÍFILIS SE ESPALHA?

“O contágio é principalmente por relação sexual desprotegida. A bactéria entra através da mucosa genital ou oral. E se espalha através do sistema linfático.”

O QUE SÃO NEUROSSÍFILIS E SÍFILIS OCULAR?

“A sífilis é uma doença infectocontagiosa sexualmente transmissível, que é sistêmica e pode infectar várias partes do organismo, incluindo olhos e sistema nervoso central.”

EU TIVE E FUI TRATADO. POSSO PEGAR SÍFILIS OUTRA VEZ?

“Sim. Sempre que tiver uma relação sexual sem camisinha pode contrair sífilis.”

A sífilis passa por fases em sua evolução no organismo e o fato de ser latente, saber se um parceiro sexual está ou não contaminado pela bactéria, pode não ser óbvio. Além disso, as feridas da sífilis podem estar escondidas na vagina, no ânus, sob o prepúcio do pênis ou na boca. Portanto, é necessário estar ciente de que seu (s) parceiro (s) sexual (is) foram testados e, se infectados, devidamente tratados.

AUMENTO DE CASOS DE SÍFILIS NO BRASIL

No período de 2010 a junho de 2019 foram notificados no Sinan 20644 casos de sífilis adquirida, dos quais 13347 (65%) ocorreram no sexo masculino e 7293 (35%) no sexo feminino. O aumento dos casos da infecção, tem alarmado médicos e serviços públicos de saúde no país. Pesquisas mostram que o uso dos preservativos sexuais vem caindo, especialmente entre os jovens. Além disso, o Ministério da Saúde alerta para a escassez de penicilina (medicamento utilizado para tratar a doença) em âmbito global. Esse cenário existe desde 2014 e acarretou uma epidemia da doença no Brasil em 2016. Caso seu parceiro sexual conte que tem sífilis, procure um especialista. Além disso, fique atento aos sintomas e solicite exames ao médico para que tenha toda certeza sobre seu estado de saúde. Anote todas as suas dúvidas e as repasse ao especialista, descreva todos os seus sintomas e procure ser o mais claro possível. Isso vai ajudá-lo durante a consulta.



Deixe uma resposta